Em 06/12/2017 às 15h37


Carta aos vascaínos

Nesta reta final de 2017 é importante mostrar aos vascaínos as esperanças e preocupações com o futuro de nossa Instituição. Desde que voltei à Presidência do Vasco, em dezembro de 2014, nunca escondi a difícil condição patrimonial, esportiva e financeira deixada pela administração anterior. Mas também sempre afirmei que, com tempo e determinação, era possível reverter o quadro.

Muitos afirmam que em clube uma administração sempre deixa dívidas para a outra. É verdade. Porque quem assume o bônus tem a obrigação de assumir o ônus. Mas o que foi deixado foi terra arrasada. Só a cegueira de quem tem posição política contrária a qualquer iniciativa nossa não admite que o cenário deixado fazia o Vasco caminhar para a insolvência.

O patrimônio destruído foi recuperado. A recuperação esportiva é evidente, desde a base ao futebol profissional, sem falar nos outros esportes.

Mas a situação financeira ainda é preocupante. Por quê?

Porque a administração anterior cometeu dois erros pelos quais o Vasco paga até hoje: o primeiro, assinar um contrato de televisão que nos colocou, num período de dez anos, com menos 500 milhões de reais destinados a dois clubes brasileiros e menos 200/300 milhões de reais do que alguns outros. Quando deixei o Vasco em 2008, nós recebíamos o mesmo que Corinthians, Flamengo, Palmeiras e São Paulo. Não se tira uma diferença de 500 milhões de reais sem mudar os contratos, o que acontecerá a partir de 2019.

O segundo foi abandonar qualquer responsabilidade financeira e fiscal, o que levou o clube ao colapso no período 2013/2014. Essa herança está sendo enfrentada porque só assim haverá recuperação da capacidade de investimento. O Vasco foi obrigado a pagar dívidas ou fazer acordos de pagamentos de todos os tipos, incluindo 10 milhões de reais à Cedae, 12 milhões de reais por determinação da Fifa pelo passe de Éder Luiz, dezenas de jogadores, fornecedores e impostos. Para que o vascaíno tenha ideia do que foi herdado, esta semana – três anos depois de tomarmos posse – fomos informados da cobrança imediata de 600 mil libras esterlinas (mais de 2,5 milhões de reais) por comissões de intermediação pela vinda do atacante Tenório. 

Em meio a toda essa situação, ainda tivemos que enfrentar a sabotagem frequente do grupo que comandou a administração passada e agora tenta voltar ao Poder. Eu tinha a certeza do trabalho desenvolvido e que a recuperação esportiva do Vasco daria um passo importante neste ano de 2017. A base do futebol caminhava bem e o time profissional estava sendo ajustado para brigar por uma vaga na Libertadores, mesmo com a capacidade de investimento limitada e as dificuldades da crise econômica que atinge o Brasil e, em especial, o Estado do Rio.

Mas o mais difícil foi enfrentar a guerra interna. Para os que passaram antes por aqui, o Vasco não pode dar certo. O que aconteceu na partida contra o Flamengo não saiu do nada e vinha sendo preparado desde o jogo contra o Corinthians. Perdemos seis mandos de campo, tivemos uma queda no campeonato e muitos prejuízos. Mas a recuperação veio, mesmo em meio a uma campanha eleitoral que nos obrigou a transferir os jogos de São Januário para o Maracanã com o objetivo de preservar a equipe.

Mas a ação de sabotagem não parou. Parceiros e possíveis futuros parceiros foram procurados para que negócios com o Vasco não se efetivassem. A mídia foi alimentada diariamente com matérias para desmoralizar o clube. Jogadores receberam recados de que não iriam receber seus salários. O objetivo era a asfixia financeira para impedir que o time chegasse aonde podíamos chegar. Mas chegamos contra tudo e contra todos.

E no momento em que precisamos planejar 2018 a sabotagem continua. A manipulação da opinião pública com o objetivo de pressionar a Justiça é evidente. Os vascaínos sabem que faremos tudo para preparar o Vasco para os desafios do próximo ano, mesmo com as limitações financeiras ainda existentes. Terminaremos este ano numa situação muito melhor do que a encontrada em 2014, mas denunciaremos todas as situações que continuam sendo forjadas para prejudicar a montagem da estratégia de um ano que pode representar um novo salto no momento do Vasco.

Eurico Miranda
Presidente

Comente essa notícia

Videos

Bruno Cosendey renova contrato até 2020

desenvolvido por: